INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA TOMADA DE DECISÃO: ESTUDO DE CASO EM STARTUPS DE BELO HORIZONTE

Rodrigo Eustáquio da Rocha, Rodrigo Baroni de Carvalho, Armando Sérgio de Aguiar Filho

Resumo


A incerteza em relação a fatores externos e a necessidade de monitorar o ambiente interno são elementos que interferem no sucesso dos negócios das Startups. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo identificar as práticas de Inteligência Competitiva na tomada de decisão das Startups de Belo Horizonte. A metodologia utilizada foi a qualitativa por meio de dez entrevistas semiestruturadas com os gestores de Startups nessas organizações. Os resultados da pesquisa apontam para a existência de práticas de Inteligência Competitiva nas Startups, sendo apontadas como técnicas mais utilizadas o planejamento por cenários, benchmarking e matriz SWOT, porém a quantidade de técnicas utilizadas está ligada ao tempo de existência da organização. As organizações mais maduras utilizam mais técnicas e adotam métodos próprios para auxiliar a tomada de decisão, já as instituições em fase inicial adotam o mínimo de técnicas, gerando potenciais prejuízos para a análise do negócio e tomada de decisão.


Palavras-chave


Inteligência Competitiva; Tomada de decisão; Startup

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, R., Faria, L., Oprime, P., Gregolin, J., & Alliprandini, D. (2012). Perfis de competências relativas à Inteligência Competitiva: um estudo exploratório no Brasil. Ciência da Informação, 40(2).

Andrade, Í., & Azevedo, A. (2018). Panorama dos métodos de análise de informação para Inteligência Competitiva. Revista Inteligência Competitiva, 8, 23-43.

Barreto, A. (1994). A questão da informação. São Paulo em Perspectiva, V. 8, p. 3-8. Acesso em 21 de jun de 2018, disponível em http://bogliolo.eci.ufmg.br/downloads/BARRETO%20A%20Questao%20da%20Informacao.pdf

Blank, S., & Dorf , B. (2014). Startup: Manual do empreendedor. Rio de Janeiro: Alta Books.

Bose, R. (2008). Competitive intelligence process and tools for intelligence analysis. Industrial Management & Data Systems, 510-528. doi:https://doi.org/10.1108/02635570810868362

Choo, C. (2011). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. SENAC.

Daychoum, M. (2012). 40 + 8 Ferramentas e Técnicas de Gerenciamento. Rio de Janeiro: Brasport (edição digital).

Gil, A. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6ª Ed. ed.). São Paulo: Editora Atlas S/A.

Gomes, E., & Braga, F. (2004). Inteligência Competitiva: como transformar a informação em um negócio lucrativo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Mafra Pereira, F., Carvalho, R., & Quintão, A. (2019). USO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA POR MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: estudo de caso nas empresas associadas à ACITA, Itabira(MG), Brasil. Revista Inteligência Competitiva, v. 9, 100-122.

Pinheiro, L., & Ferrez, H. (2014). Tesauro Brasileiro de Ciência da Informação. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict).

Pio, M., Martin, A., & Antunes, A. (06 de 04 de 2019). Sugestão de um modelo de Inteligência Competitiva para centros de tecnologia têxtil: o caso do SENAI/CETIQT. Espacios, pp. 55-69. Fonte: Disponivel em:

Prescott, J., & Miller, S. (2002). Inteligencia competitiva na pratica. Rio de Janeiro: Campus.

Reis, C. (1993). Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação. Lisboa: Editorial Presença.

SCIP - The Society of Competitive Intelligence Professionals. (14 de Fev de 2019). Fonte: SCIP - The Society of Competitive Intelligence Professionals: https://www.scip.org/

Shinyashiki, G., Trevizan, M., & Mendes, I. (ago. de 2003). Sobre a criação e a gestão do conhecimento organizacional. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 499-506.

Starec, C. (2013). Gestão da informação, inovação e Inteligência Competitiva: Como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações (Editora Saraiva ed.). São Paulo: Saraiva.

Startup Farm. (13 de Fev de 2019). Fonte: Startup Farm: https://startup.farm/blog/pesquisa-da-startup-farm-revela-a-mortalidade-das-startups-brasileiras/

Suaiden, E. (15 de Dezembro de 2019). Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. Fonte: IBICT: http://www.ibict.br/publicacoes-e-institucionais/tesauro-brasileiro-de-ciencia-da-informacao

Vergara, S. (2009). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (11ª Ed. ed.). São Paulo: Atlas.

Zhang, Y. (1988). Definitions and Sciences of information. Information Processing & Management, 24.

Zorrinho, J. (1995). Gestão da Informação. Condição para Vencer. Lisboa: Lapmei.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v10i3.377

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesCRASPDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período